Leiliane Coimbra, Bacharel em Direito
  • Bacharel em Direito

Leiliane Coimbra

Ribeirão Preto (SP)
13seguidores61seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Advogada recém-formada aguardando o número da OAB definitivo
Advogada cível e criminal

Licenciada em Letras - FABAN- Ribeirão Preto-SP (2ª turma em 2007).


Bacharel em direito - Unip - Ribeirão Preto – SP


Estagiou na PROCURADORIA GERAL DO ESTADO DE SÃO PAULO - Região de Ribeirão Preto, nas áreas FISCAL e EXECUÇÃO FISCAL da Fazenda Pública.


E-mail: leilicoimbra@live.com

Comentários

(43)
Leiliane Coimbra, Bacharel em Direito
Leiliane Coimbra
Comentário · há 22 dias
Concordo com seu artigo, Dr.!

Muitos aqui, com um discurso intrincado socialista, deturparam seu artigo distorcendo a sua tese. Eu entendi perfeitamente. Não é porque tenho mais que um imóvel que tenho a obrigação de deixar que outras pessoas usufruem do bem que conquistei, muitas vezes mediante a tantas privações, dificuldades etc, de forma gratuita!

A Lei de 1991 foi uma forma de acabar com a inadimplência! Muitas vezes o aluguel é renda de algum trabalhador desempregado, de uma família cujo salário não seja suficiente.

Quanto ao fiador, que escolheu fiar para alguém que não era de confiança - pois, se o fosse, certamente faria qualquer negócio para não deixar chegar a cobrança ao fiador -, nada mais justo que efetivar o cumprimento do contrato.

Isto não é um discurso capitalista, como muitos relataram, é Direito é uma forma de fazer particulares honrarem seus contratos! Imagine agora o abalo na segurança jurídica! Se cobrando o fiador, muitos não recebem, quanto mais sem poder fazê-lo porque o mesmo só tem "um bem de família".

Ademais, a questão da fiança já precede a Lei de 1991 no Livro Bíblico de Provérbios 6.1 e 2 "Filho meu, se ficaste por fiador do teu companheiro, se deste a tua mão ao estranho,
E te deixaste enredar pelas próprias palavras; e te prendeste nas palavras da tua boca; ..."

(contexto para quem não consegue entender os ensinamentos bíblicos filosóficos: Filho meu, se serviste de fiador ao teu próximo, se, com um aperto de mãos, te comprometeste por um estranho, e ficaste enredado pelas declarações que saíram da tua boca, então és prisioneiro de tua própria palavra...")

Logo, se num livro escrito há mais de 1.000 anos já havia uma filosofia dentro de um determinado contexto, nos ensinando a não ser fiador, o que diremos de sê-lo em um mundo tão ignóbil como este em que vivemos? Já não se pode confiar um nos outros, e agora não poderemos confiar nem na" justiça "! É o fim!

Perfis que segue

(61)
Carregando

Seguidores

(13)
Carregando

Tópicos de interesse

(44)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

ANÚNCIO PATROCINADO

Outros perfis como Leiliane

Carregando

Leiliane Coimbra

Entrar em contato